FestVilla 2018 apresenta novos talentos da música para o grande público

Um festival de música popular que serve como vitrine de uma escola de música que contempla a diversidade de gêneros musicais e de novos talentos. Assim é o FestVilla, Festival da Canção da Escola de Música Villa-Lobos, que encerrou sua décima sétima edição neste ano de 2018 com mais dez canções autorais apresentadas no Teatro João Caetano na noite desta quarta-feira, 28 de Novembro, para um público de quase 400 pessoas, que prestigiaram alunos já alçados a profissionais, defendendo suas composições com energia e dedicação.

A Escola de Música Villa-Lobos e o Teatro João Caetano são espaços da Secretaria de Estado de Cultura / FUNARJ. Apoio: Associação dos Músicos, Professores e Amigos da Escola de Música Villa-Lobos (AMAVILLA). Patrocínio: Megadisconildo

As dez canções chegaram à frente numa competição com um total 64 inscritas e mais de cem estudantes participantes. Revelações no instrumento, na voz, na composição e nos arranjos surpreenderam jurados e público. Além dos troféus, os vencedores ganharam gravações profissionais no Estúdio Guerra-Peixe, bolsas de estudo no Curso Básico, e vale-compras na rede de lojas Megadisconildo, patrocinadora do FestVilla pelo terceiro ano consecutivo.

A comissão julgadora, formada pelo presidente da FUNARJ, Nelson Freitas, pelo diretor da Escola de Música Villa-Lobos, José Maria Braga, pelo presidente da AMAVILLA, Mauro Carvalho, pelo coordenador do Curso Técnico, Wladimir Tourinho, e pelo ex-professor e ex-coordenador do Curso Básico, Marcos Marques (Marcão), teve muito trabalho em escolher as três melhores apresentações, além de melhor intérprete vocal e instrumental.

Quem faturou o primeiríssimo lugar foi a canção “Tuhu”, composta pelo violonista Márcio Araújo, acompanhado do violoncelo de Carlos Vasconcelos e pela voz de Taylis Portes, todos formandos do Curso Técnico. “Tuhu” era o apelido de Heitor Villa-Lobos, e o arranjo inspirado em seus estudos para violão e suítes para violoncelo encaixou-se perfeitamente nos versos que remetiam aos tempos do maestro. Para incrementar o prêmio, o presidente da FUNARJ, Nelson Freitas, convidou-os a apresentar a bela canção em outros espaços culturais do Estado, dentro do circuito da programação cultural. Márcio Araújo também repetiu o feito do ano passado, levou o prêmio de melhor instrumentista por seu preciso violão cheio de dedos ágeis.

– O festival foi excelente, todas as apresentações foram muito boas e vamos continuar nessa batalha, jamais desistindo dos nossos sonhos – disse o autor vencedor, Márcio Araújo – agradeço a Deus por terminar os estudos na Villa-Lobos esse ano. E de ter o prazer de conhecer tantos músicos e ouvir cada música linda que foi tocada.

O segundo lugar foi a canção “Mil Beijos”, da aluna de violão do Curso Básico, Bruna Matos. A cantora e violonista mostrou-se uma grande revelação do FestVilla 2018 por seu talento melódico para versos inspirados no poeta da Roma Antiga, Catulo, e, sobretudo, pela coragem em enfrentar o grande palco do Teatro João Caetano sozinha, apenas com seu violão, microfone e um banquinho. As luzes do teatro escondiam-lhe a plateia, mas foi a plateia quem sentiu quão radiante é Bruna Matos.

O terceiro lugar provou que a prática de conjunto da Escola de Música Villa-Lobos é um dos pontos mais fortes de sua pedagogia. Além de mostrar-se um exímio guitarrista, o autor Daniel Souza juntou outros tantos talentosos alunos para defender sua “Veneno Parte 2”, uma resposta a um amor amargurado, ritmado num jazz cheio de vigor instrumental com direito a um cortante solo de guitarra apoteótico do próprio autor.

O voto popular premiou uma cantora, compositora e violonista que, pela terceira vez consecutiva, concorreu no FestVilla, e pela primeira vez chegou a final. Nos dois últimos anos, Clara Mitra sempre passou para a segunda fase, as Eliminatórias, como favorita, mas algo acontecia que não conseguia chegar entre as finalistas. Nesta edição, Clara finalmente não só chegou a final, mas conquistou o público com “Para Amor Tecer”, uma declaração apaixonada a uma pessoa amada, música que casa de forma perfeita seu timbre soprano com as notas agudas de seu violão, e ainda ganhou o reforço melódico da guitarra de Daniel Souza.

– O festival foi lindo. Foi o terceiro ano que participei do Festvilla, sou muito grata por todas as experiências que ele me proporcionou. Esse espaço de expor nosso trabalho autoral é muito rico – disse Clara Mitra, que revelou nunca ter pisado num palco antes do FestVilla – ontem estava super preenchida, sentindo que, mesmo com todos os desafios e nervosismo, eu não queria estar em nenhum outro lugar fazendo qualquer outra coisa. Gratidão profunda pelo incentivo e oportunidade pra que eu pudesse descobrir e manifestar aquilo que sou e tenho pra oferecer pro mundo. Essa vivência não tem preço.

Outra surpresa foi revelada no prêmio de melhor intérprete vocal. O peso da canção “Instrução Desnormativa”, de Filipe Codeço, uma crítica às normas da sociedade, como a questão de gênero, já era sentida desde as Eliminatórias. Mas a baixista Carla Marcelle até então não tinha soltado todo seu vozeirão. No momento certo, na hora certa, a aluna de canto do Curso Básico (que ainda sustenta a precisão dos graves de seu contrabaixo) assumiu o vocal e levantou a plateia com um poderoso timbre a la Aretha Franklin. Depois de sua apresentação, ficou difícil outros intérpretes tirarem o prêmio dela.

Pelo terceiro ano consecutivo, o casal Alcides Sodré e Michele Agra esbanjou simpatia para entreter o público ao anunciar cada canção. Os dois são ex-alunos da Escola de Música Villa-Lobos e agradeceram mais uma oportunidade de serem os mestres de cerimônia do FestVilla. Com tantas práticas de conjunto, Alcides lembrou do memorável professor Rycardo Lobo, falecido em 2011, que proporcionou a formação de tantos grupos orquestrais na escola.

Michele também pediu uma forte energia positiva ao professor e cameraman Mauro Wermelinger, que sempre prestigiou o FestVilla desde suas primeiras edições e certamente estaria registrando a noite com sua câmera se estivesse em condições. Mauro sofreu um AVC parcial que paralisou o movimento de seu braço esquerdo e está se recuperando com fisioterapia.

Enquanto os votos eram apurados, quem acalmava a ansiedade da plateia pelos resultados finais era a banda “Stoppa e os Transilvânicos”, que conquistaram o 3º lugar no FestVilla 2017. Antônio Pádua “Stoppa” é ex-aluno de percussão, integra o grupo Chorando Baixinho, e convidou alunos e ex-alunos de metais, canto, guitarra, baixo e bateria para integrar os “Transilvânicos”. O músico dedicou seu show à inspetora Solange Cavalcanti, a nossa querida Sol, que sempre atendeu aos alunos na Inspetoria, e que nos deixou no último mês de outubro, vítima de complicações de um câncer.

As demais canções serviram para deixar todos em dúvida sobre quem era realmente a favorita, visto o grande nível dos finalistas. Thais Moura, a primeira a se apresentar, levou um grupo formado somente por meninas para defender “Estamos aqui”, e levantou a bandeira da causa feminista ao final da canção. Também seguiu na mesma linha a cantora Mari Silva, que defendeu sua animada “Eu” e ainda auxiliou a amiga Thais percutindo o cajón. Importante mencionar que, dos dez autores finalistas, seis são mulheres. Carolina Melo também foi gloriosa com a interpretação de sua música, “Mascarado”, canção que chegou como uma das favoritas e mostrou ousadia com arranjos solo e mudança triunfal de tonalidade nos últimos refrãos. Brenno Guatiguaba embalou a plateia com sua suingada “Por que mentiu”. E a vencedora do ano passado de melhor intérprete vocal e melhor canção, Lorena Pipa, não faturou nenhum troféu, mas consolidou-se como grande autora e performer com a defesa de sua música “Rua, cidade”. No final, todos os participantes saíram vencedores.

— Quero agradecer todo o acolhimento da produção do Festival e dos professores. Foi lindo! Queria dizer com muita humildade que achei as 10 músicas incríveis: arranjos, os músicos e as performances de altíssimo nível. Fiquei muito surpresa e grata e fazer parte disso – disse Mari Silva, autora de “Eu” – Parabéns a todos e aos vencedores, que a gente continue em frente surpreendendo e levando arte para a sociedade.

– O FestVilla é um evento precioso! Desde a primeira etapa venho me encantando com a qualidade das composições, arranjos, interpretações e com o cuidado e carinho com que o evento é produzido. – agradeceu o autor de “Instrução Desnormativa”, Filipe Codeço – Um brinde a vocês todos e todas que fazem isso acontecer. Evoé Axé ao FestVilla!

Entre recordações de pessoas queridas, momentos nostálgicos de festivais passados (num palco que abrigou os primeiros festivais universitários da canção), e apresentações de músicos talentosos, o FestVilla 2018 termina da melhor forma, com casa cheia, surpreendente e com resultados que fazem jus a todos. Assim, a Escola de Música Villa-Lobos mostra mais uma vez sua vocação para formação de artistas e de público, ocupando espaços culturais importantes da cidade, sempre acolhedora, democrática e plural.

Viva a música!
Viva o FestVilla!
Viva a Escola de Música Villa-Lobos!

Texto: Pedro Soares

1º Lugar:
“Tuhu”, de Márcio Araújo

2º Lugar:
“Mil beijios”, de Bruna Matos

3º Lugar:
“Veneno Parte 2”, de Daniel Souza

Melhor canção (voto popular):
“Para amor tecer”, de Clara Mitra

Melhor intérprete vocal:
Carla Marcelle (“Instrução Desnormativa”)

Melhor intérprete instrumental:
Márcio Araújo (“Tuhu”)

Finalistas:

01. “Estamos aqui”, de Thaís Moura
02. “Eu”, de Mari Silva
03. “Instrução desnormativa”, de Felipe Codeço
04. “Mascarado”, de Carolina Melo
05. “Mil Beijos”, de Bruna Matos
06. “Para amor tecer”, de Clara Mitra
07. “Por que mentiu?”, de Brenno Guatiguaba
08. “Rua, cidade”, de Lorena Pipa
09. “Tuhu”, de Márcio Araújo
10. “Veneno 2”, de Daniel Souza

VENCEDORES

OUTROS FINALISTAS

Informações e contato:
Assessoria de Comunicação da Escola de Música Villa-Lobos
(21) 2332-6382 / 2334 9918 (ramal 218)

 

FASE ELIMINATÓRIAS

1º Mil beijos,de Bruna Matos – 75 pontos

2° Tuhu, de Márcio Araújo    –  68 pontos 

3° Para amor Tecer, de Clara Mitra – 68 pontos 

4° Rua, Cidade, Lorena Pipa – 66 pontos 

5° Eu, de Mari Silva – 65 pontos 

6° Mascarado, de Carolina Melo – 65 pontos 

7° Instrução Desnormativa, de Felipe Codeço – 65 pontos 

8° Veneno 2, de Daniel Souza – 65 pontos 

9º Estamos aqui, Thaís Moura – 57 pontos 

10° Por que Mentiu?, de Brenno Guatiguaba – 57 pontos 

11° Seca Esquecida, de Renata Braz – 56 pontos

12° Acalanto, de Guido de Castro – 55 pontos 

13° Humanidade, de Lily Costa – 55 pontos

14° Despertai, de Expedito – 54 pontos 

15° Saudade do Sertão, de Mara Mônica – 54 pontos

16° Meu Tesouro, de Maya Pijnnapel – 54 pontos 

17° Animado Funeral, de Tião Silva – 49 pontos

18° Seus Olhos, de Rafael Leitão – 48 pontos 

19° Nega, de David Estrela – 47 pontos 

20° A Cor do Caráter, de Eny Ribeiro – 46 pontos

21° Jantony, Tudo Paz – 45 pontos

22° De você, de Igor Ventura – 44 pontos

23° Dezenove, de Marcela Gavinho 44 pontos 

 

O FestVilla conta com o apoio da rede de lojas de instrumentos musicais, Megadisconildo.

Os vencedores ganham prêmios especiais, como instrumentos musicais e gravação profissional da canção vencedora.

No dia 05 de outubro, foi sorteada a ordem de apresentações da Fase Eliminatórias do FestVilla 2018.

O aluno Guido de Castro estava presente como testemunha, após a produção do festival enviar convite para todos os concorrentes sobre a data deste sorteio. Quem não puder comparecer no dia sorteado poderá combinar com outro participante sobre a possibilidade de troca de data. As trocas de apresentações devem ser informadas diretamente na Direção ou pelo e-mail comunicacao.emvl@gmail.com, e podem ser feitas, impreterivelmente, até o dia 25 de outubro de 2018.

ORDEM DEFINIDAS DAS APRESENTAÇÕES

Segunda, 29 de outubro
1. Nega, de David Estrela
2. Seus Olhos, de Rafael Leitão
3. Mascarado, de Carolina Melo
4. Despertai, de Expedito
5. Seca Esquecida, de Renata Braz
6. Vícios Modernos, de Julio Monnerat

Terça, 30 de outubro
1. Eu, de Mari Silva
2. Estamos Aqui, de Taís Moura
3. Mil Beijos, de Bruna Matos
4. Saudade do Sertão, de Mara Mônica
5. Tudo Paz, de Jantony
6. Meu Tesouro, de Maya Pijnnappel

Quarta, 31 de outubro
1. Rua, Cidade, de Lorena Pipa
2. Por Que Mentiu?, de Breno Guatiguaba
3. Instrução Desnormativa, de Felipe Codeço
4. Veneno 2, de Daniel Souza
5. Tuhu, de Márcio Araújo
6. Animado Funeral, de Tião Silva

Quinta, 01 de novembro
1. Acalanto, de Guido de Castro
2. Humanidade, de Lily Costa
3. A Cor do Caráter, de Eny Ribeiro
4. Para Amor Tecer, de Clara Mitra
5. De Você, de Igor Ventura
6. Dezenove, de Marcela Gavinho

 

FASE PASSAPORTE

Confira a classificação final da Fase Passaorte. As canções em negrito representam as classificadas para a Fase Eliminatórias:

CANÇÃO AUTOR(A) PONTUAÇÃO
Para amor tecer Clara Mitra 29,5
Instrução desnormativa Felipe Codeço 29,0
Rua, cidade Lorena Pipa 28,5
Mil beijos Bruna Matos 28,0
Humanidade Lily Costa 28,0
Despertai Expedito 27,5
De você Igor Ventura 27,0
Tuhu Márcio Araújo 27,0
Meu tesouro Maya Pyjnappel 27,0
10º Saudade do sertão Mara Mônica 26,5
11º Tudo paz J Antony 26,0
11º Veneno (2) Daniel Souza 26,0
13º Eu Mari Silva 25,5
13º Animado funeral Tião Silva 25,5
15º Seca esquecida Renata Braz 25,0
15º Estamos aqui Thais Moura 25,0
15º Nega Davi Estrela 25,0
15º Dezenove Marcela Gavinho 25,0
15º Seus olhos Rafael Leitão 25,0
15º Mascarado Carolina Mello 25,0
21º Por que mentiu? Brenno Guatiguaba 24,5
22º Acalanto Guido de Castro 24,0
22º Vícios modernos Júlio Monnerat 24,0
24º A cor do caráter Eny Ribeiro 23,5
25º Cair por você Rafo 23,0
26º Alu e luz Luz Meirelles 22,0
26º Cavalgada Ana Paula Rosa 22,0
26º Olhar para trás Leo Castro 22,0
29º Homens da minha vida Mari Monteiro 21,5
30º Praiana do querer RR 21,0
31º Tudo que eu sempre quis Gleice Ribeiro 20,0
32º Lindo amor Matheus Nascimento 19,5
33º Viver e ser feliz Evandro Andrade 19,0
34º Era coisa do amor Ariel Santos 18,2
35º Apelo a franqueza Matheus Gil 17,5
35º Denguinho Bê Nunes 17,5
35º Você não me quis Murilo Almeida Barros 17,5
35º Visconde de Mauá Fylipe Fontes 17,5
39º Chove chuva Daniel Iorio 17,0
40º Dance dance Rhol 16,5
40º Água Raios 16,5
40º Qualificações Marcos Paulo 16,5
43º Quando você se for Thor Carvalho 15,0

 

 

1º Dia – 16 de maio

 

2º Dia – 23 de maio

 

3º Dia – 06 de junho

 

4º Dia – 13 de junho

 

5º Dia – 20 de junho

6º Dia – 04 de julho

não obtivemos imagens neste dia =(


7º Dia – 15 de agosto

Confira como foi o FestVilla 2017

O festival

O FestVilla é um tradicional festival de canções inéditas (dos alunos) e em português, realizado há 17 anos pela Escola de Música Villa-Lobos, fruto de uma postura inovadora da EMVL em termos de formação profissional. Ao optar por uma pedagogia que coloca o aluno diante das reais dificuldades que serão encontradas pelos que, sem medo, se lançarão rumo ao difícil e competitivo mercado de trabalho, a EMVL, através do FestVilla, se antecipa e prepara seus alunos com o objetivo de que se tornem profissionais capazes de resolverem os desafios que lhes aguarda o exercício da profissão musical.

O Festival é dividido em três fases: Passaporte, Eliminatórias e Final.

A primeira fase, Passaporte, é o primeiro momento em que os alunos apresentam suas canções no Auditório Guerra-Peixe para um júri de professores e para o público, recebendo votos da comissão julgadora. Nesta fase, cada participante ouve dos jurados comentários e dicas sobre sua composição.

Os mais bem votados conforme o juri classificam-se para a próxima fase.

Na segunda fase, denominada Eliminatórias, os alunos classificados recebem apoio de professores para melhor arranjarem suas canções. As apresentações também ocorrem no Auditório Guerra-Peixe, e a comissão julgadora avalia cada canção conforme os mesmos critérios.

Os dez melhores colocados nas Eliminatórias classificam-se para a Final, quando serão avaliados por júri especializado, entre críticos musicais, jornalistas, músicos e produtores, além de receberem votos do público. A Final está prevista para acontecer no Teatro João Caetano, em data programada para o final do ano.

Premiação

Os vencedores do FestVilla são conhecidos entre os dez finalistas: são os três primeiros colocados, além de melhor intérprete, melhor instrumentista e melhor canção pelo voto popular.

Todos ganham prêmios especiais, como instrumentos musicais, fornecidos pela Megadisconildo, além de bolsas de estudo no Curso Básico e gravação profissional no Estúdio Guerra-Peixe da Escola de Música Villa-Lobos.

A realização do FestVilla 2018 é da Secretaria de Estado de Cultura, FUNARJ, Escola de Música Villa-Lobos e Associação de Músicos, Docentes e Amigos da Escola de Música Villa-Lobos (AMAVILLA). Apoio: Megadisconildo.

 

Visite nosso Canal do Youtube e confira todos os finalistas das edições 2016 e 2017!