FESTVILLA 2016 ENCERRA COM TEATRO JOÃO CAETANO LOTADO

“Alvorada-redenção”, dos alunos Igor Esteves e Gabriel Ramos, ficou em 1º lugar. “Arte da terra”, do aluno Jandivison Santos, conquistou a melhor canção no voto popular.

Foi uma noite inesquecível para a Escola de Música Villa-Lobos. Com o Teatro João Caetano lotado, o FestVilla 2016, a 16º edição do festival da canção, apresentou os dez finalistas, emocionou o público e ainda brindou a noite com três apresentações extras, Casuarina, Agita Samba e a Fina Batucada.

Os grandes vencedores desta edição foram:

1º lugar – “Alvorada-Redenção”, de Igor Esteves e Gabriel Ramos

2º lugar – “Trova da maestria”, de Ricardo Maia

3º lugar – “Só o amor”, de Pablo Henrique

Melhor canção voto popular – “A arte da terra”, de Jandivison Santos

Melhor Intérprete – Igor Esteves

Melhor Instrumentista – Gabriel Ramos

A comissão julgadora da grande final do FestVilla 2016 foi formada pelo pianista, compositor e arranjador Leandro Braga, a harpista Cristina Braga, o crítico musical Túlio Villaça, o jornalista Fernando Pimentel, e o cantor e professor da Escola de Música Villa-Lobos, Marcos Marques.

Parabéns a todos os competidores que subiram ao palco do Teatro João Caetano e animaram a noite da melhor forma possível, a todos os demais que participaram em todas as fases do festival, a todos os excelentes profissionais que se dedicaram na equipe de produção, técnica, do corpo de jurados, a todas as instituições parceiras e apoiadoras, Tribo do Som, Musical Carioca, Casa Oliveira de Música, Barletta Massas Artesanais, Secretaria de Estado de Cultura, FUNARJ, Biblioteca Parque Estadual, a lista é imensa!

E claro, agradecimentos especiais a todo mundo que lotou o Teatro João Caetano e prestigiou esta celebração da união entre músicos e amantes da música!

Viva a música!

As dez canções finalistas

As dez canções foram selecionadas em duas fases, Passaporte e Eliminatórias, em que concorreram um total de 102 concorrentes.

São elas: Arte da Terra, de Jandivison Santos; Alvorada-redenção, de Igor Esteves e Gabriel Ramos; Choro de São João, de Maya Pÿnnapel; Sumindo, Fernanda Fehr e André Salomão; Das delicadezas, de Renan Chaves e Carolina Turboli; Temer, de André Salomão; Cheiro de traição, de Hugo Sanchez e André Salomão; Trova da maestria, de Ricardo Maia; e Rio de Prazer, de Antônio “Stoppa” de Pádua.

A ordem de apresentação foi a seguinte:

1º) Arte da terra, de Jandivison Santos
2º) Rio de prazeres, de Antônio “Stoppa” de Pádua
3º) Das delicadezas, de Renan Chanves e Carolina Turboli
4º) Temer, de André Salomão
5º) Alvorada-redenção, de Igor Esteves e Gabriel Ramos
6º) Cheiro de traição, de Hugo Sanchez
7º) Só o amor, de Pablo Henrique
8º) Choro de São João, de Maya Pÿnnappel
9º) Trova da maestria, de Ricardo Maia
10º) Sumindo, de Fernanda Fehr

 

 

FestVilla 2016 contou com três fases

O FestVilla 2016 iniciou em junho deste ano com apresentações de mais de cem canções. A apresentação ao vivo no Auditório Guerra-Peixe foi um grandfe diferencial das apresentações anteriores, pois em vez de os concorrentes enviarem uma fita-demo, eles deveriam apresentar ao vivo suas músicas na Fase Passaporte. A comissão julgadora desta fase foi formada pelos professores João Alexandre Zainko, Alfredo Machado e Annabel Albernaz.

A segunda fase, chamada Eliminatórias, teve com 27 canções, que receberam um auxílio dos professores Luis Medina, Marcos Garret, Marcos Teixeira e Márcio Cebola. A comissão julgadora contou com a participação dos professores Anderson Cardozo, Antônio Guapiassu, Fabíola Nascimento, Gilson Moura, Henrique Lissovsky, Jary Amorim, João Carlos Assis Brasil, Jorge Eder, Levy Nunes, Luis Flavio Alcofra, Omar Cavalheiro, Suzana Santana e Wladimir Tourinho.

A fase das Eliminatórias contou com uma atenção especial de professores de prática de conjunto, Marcos Teixeira, Márcio Cebola, Luís Medina e Marcos Garrett, que ajudaram nos arranjos das canções.

Confira a pontuação das Eliminatórias FestVilla 2016. Clicando no nome da música, você confere a avaliação de cada jurado nesta fase.

CANÇÃO AUTOR(A) PONTUAÇÃO
Arte da Terra Jandivison Santos 74
Alvorada Redenção Igor Esteves 72
Choro de São João Maya Pynnapple 67
Sumindo Fernanda Souza (Fehr) 65
Das delicadezas Renan Chaves 65
Temer André Salomão 64
Cheiro de Traição Hugo de Almeida (Sanchez) 64
Trova da Maestria Ricardo Maia 63
Só o amor Pablo Henrique 60
Rio de Prazer Antonio de Pádua (Stoppa) 60
Vamos para casa Ana Flávia 59
Pé na estrada Silvio Júnior 59
Amor chegou Tadeu Callegari 58
Nessa paisagem Matheus Luiz 58
Me perdi no mar Talita Evangelista 57
Almatizar Filipe de Oliveira 57
Acaba Comigo Carine Zurmele 56
Tema baseado em caymmi Francisco Lenilson 54
Canção para improvisar Raphael Gaspar 54
Brinquedo de criança Sérgio Jerez 54
Linhas e Laços Clara Mitra 54
Sol de Janeiro Jade da Hora 52
A lenda dos desertos Clovis Dyer 52
Negão Maria da Paz 51
Cuba Ivan Gomes 49
Sonhador Gean Carlos 45
Um click em mim Márcia Di Milla 37

 

Festival tem o objetivo de integrar os alunos e incentivar sua carreira artística

O diretor artístico da fase Passaporte do festival, professor de contrabaixo elétrico e idealizador do FestVilla, Alexandre Magalhães, enumera as vantagens para o aluno que vai participar do festival:

– O aluno vai ver a música acontecendo na prática, desde a concepção, passando pela criação, o arranjo, até a coragem de enfrentar o palco e o público – explica. E ainda enaltece a iniciativa, que chega em quinze edições, das quais participou da produção de todas – O festival é importante para tornar a escola viva. Escola de música tem que fazer música.

O ex-aluno Thiago Gomes participou como contrabaixista em várias edições, atuando em apresentações vitoriosas como “Cabeça de rabo de camarão”, de Paulinho de Castro (melhor instrumentista, 2003), “Frevo prato feito”, de Marcos Tannuri, que deu o prêmio de melhor intérprete para cantora Val Coutinho, que hoje se apresenta em palcos italianos, e o terceiro lugar para a música “Vem” (2001), da compositora Débora Baldelli.

– Participar do FestVilla me mostrou como é fundamental esta integração e o reconhecimento por outros músicos, porque quem dá emprego pro músico é o próprio músico, através dos vários contatos que faz ao longo da carreira – diz. Thiago é graduado em Licenciatura em Violão pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e autor do livro “Vivendo de música”, que reúne depoimentos sobre a profissão com músicos como Roberto Menescal, Bia Bedran, Adriano Giffoni, dentre outros.

Para o diretor da Escola de Música Villa-Lobos, Carlos Belém, que esteve presente em diversas outras edições como jurado, o FestVilla representa uma imensa satisfação e orgulho para todos:

– Não poderíamos deixar de propiciar aos alunos a oportunidade das vivências de emoções, afetos e da experiência que é participar de um festival da canção como os que aconteceram e acontecem em todos os cantos do país. O FestVilla é mais uma das múltiplas atividades que, há várias décadas, colaboram para que nossa escola mantenha assegurado seu lugar no patamar de referência de ensino musical do país.

A participação no Festival é exclusivamente para alunos regularmente matriculados.

O FestVilla 2016 tem o apoio da Tribo do Som, da Musical Carioca, da Casa Oliveira de Música, e da Barletta Massas Artesanais.

Confira algumas imagens de todos que passaram pelo palco desta edição do FestVilla (créditos: Willow Kohlrausch, Pedro Soares e Maurício Flora):

1º Dia (23 de maio)

 

2º Dia (30 de maio):

 

3º Dia (06 de junho)

 

4º Dia (13 de junho)

 

5º Dia (20 de junho)

 

6º Dia (27 de junho)

 

7º Dia (04 de julho)

 

8º Dia (18 de julho)

9º Dia (25 de julho)

 

10º Dia (01 de agosto)