Inscrições Encerradas: Curso Livre Música para Tocar e Ver

oficina-musica-artes-plasticas-roberto-velasco-emvl-villa-lobos-site

A Escola de Música Villa-Lobos, um espaço da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa / Funarj, abre inscrições para a oficina “Música de Tocar e Ver”, uma oficina experimental de Músicas e Artes Plásticas voltada para estudantes de música e professores, além dos amantes de artes plásticas e música em geral.

A oficina acontecerá a partir do dia 18/05, aos sábados, das 10h às 12h, com duração de um mês.

Investimento: R$ 120,00/por aluno
Carga horária: 8 horas/ Total: 4 aulas
Inscrições na Secretaria da Escola de Música Villa-Lobos
Rua Ramalho Ortigão, 9, Centro. Rio de Janeiro / RJ
Telefone: (21) 2334-9918 / 2332-6382

– Sobre o Curso: Visão Global
A oficina pretende trazer o contato e a ação de produzir músicas através de imagens oriundas das artes plásticas. Traz uma leitura musical diferente, além do conhecimento de artistas plásticos que tiveram a música como processo intrínseco na criação visual.

– Público
Estudantes de música
Professores de música
Músicos profissionais
Amantes de música em geral

– Pré- requisitos
Não há.

– Objetivos e Conteúdo
Juntar o pensamento textual, visual e sonoro para a aquisição de conhecimento;
Possibilitar uma experiência sinestésica comum a todas as artes
Abrir o campo de pesquisa para novas formas de leituras e escritas musicais;
Buscar na educação a interdisciplinaridade entre áreas. Exemplos : Rios-Geografia / Rios-Literatura / Rios- Geometria, etc.
Ampliar a formação do músico e contribuir para a sua fruição estética;
Construir uma outra memória, mais experimental, no espaço de ensino e educação;
Pensar o processo desde a criação até os registros em áudio e imagem (Produção áudio-visual).

*Os registros como áudios e partituras dos trabalhos de composição realizados, ficarão na escola para material didático.

1 º Encontro
Audição de três músicas escolhidas pelo professor (uma lenta, uma média e uma rápida). Simultaneamente à audição, serão apresentados aos alunos desenhos e pinturas inspirados nas músicas ouvidas.
Troca de experiências

2 º Encontro
Entrega da Imagem;
Discussão aberta sobre as impressões da imagem recebida
Se pudéssemos transformar a gravura em música, como poderia ser feita?
Início do processo de composição em grupo baseada na imagem utilizando livremente materiais sonoros disponíveis

3º Encontro
O professor orienta a continuação da atividade atentando para os seguintes elementos numa composição: forma, textura, intensidade, duração, melodias e grafismo (escrita convencional, não-convencional ou misto, etc.)

4º Encontro
Pequena explanação sobre a imagem
Apresentação das peças musicais
Avaliação da atividade pelos próprios alunos.

Professor: Roberto Velasco
Nasceu no dia 04 de maio de 1963, na cidade do Rio de Janeiro. Iniciou seus estudos de violão clássico e teoria musical em 1977, no Conservatório de Música e Artes da Ilha do Governador com o professor Moizéis Ferreira Lima. Em 1980, passa a ter aulas particulares com o violonista Carlos Alberto de Carvalho até 1984, quando ingressou na Universidade de Música da UFRJ. Concluiu em 1991 o seu bacharelado em violão sob a orientação dos violonistas Turíbio Santos e Leo Soares. Em 1985 fez parte da orquestra de violões sob a direção de Turíbio Santos.

Adquiriu como violonista uma sólida formação estudando orquestração e composição com o maestro e compositor Nelson de Macêdo e harmonia funcional com o compositor Carlos
Almada. A partir de 1987, começa a escrever as composições do seu primeiro disco “Suíte Choro”, para várias formações de câmara. Em 1991 lança a Suíte, onde conta com a participação do violonista Bartholomeu Wiese e do conjunto instrumental Quarteto de Roda. Como compositor, Roberto Velasco já teve a sua música interpretada nas salas mais importantes do país, como a sala Cecília Meireles, IBAM, teatro da UFF com a Orquestra Sinfônica Nacional (Concerto para violão e cordas), sala Funarte e etc. Lançou em 2001, o CD “Sete Mulheres” (Obras para violão solo), onde contou com a participação de sete grandes intérpretes violonistas do Rio de Janeiro, como Graça Alan, Maria Haro, Márcia Taborda, Chuang Yu Ting, Vera de Andrade, Luciana Requião e Valéria Gomes. Em 2003, lançou seu 3 º CD “Rios” em Duo com o violonista Alberto Meija no Instituto Moreira Salles na exposição do artista plástico Gonçalo Ivo. Neste CD, tem participações de Ferrer, Claudio Tupinambá, Luis Carlos Barbieri e Rene Mora (Espanha). Estudou artes plásticas com o mestre e professor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage Gianguido Bonfanti.