Boas-vindas, incentivos e muita música marcaram a aula inaugural

Foi num Auditório Guerra-Peixe lotado que aconteceu a Aula Inaugural do 2º semestre da Escola de Música Villa-Lobos. A plateia, repleta de alunos novos e de períodos anteriores, recebeu as boas vindas do diretor, Carlos Belém, dos coordenadores do Curso Formação Musical, Denize Vieira e Leandro Gregório, Curso Técnico, Carlos Soares, e Curso Básico, Marcos Marques, além do presidente da Associação de Músicos e Amigos da Escola de Música Villa-Lobos (AMAVILLA), Mauro Carvalho.

A aula inaugural foi aberta com a apresentação do Grupo Representativo, Chorando Baixinho, com seu repertório sempre em homenagem ao choro, desta vez com as canções “Chorando baixinho”, de Abel Ferreira, “Doce de coco”, de Jacob do Bandolim, e “Carinhoso”, de Pixinguinha. O grupo, dirigido pelo professor Genivaldo Soares, apresentou-se com sete integrantes, todos alunos da escola com faixa etária entre 12 e 16 anos.

Após os meninos do Chorando Baixinho deixarem o palco sob aplausos entusiasmados, começou a conversa com a plateia. O diretor Carlos Belém encorajou os novos alunos na empreitada que é ingressar no estudo de música: “Não é a primeira relação com o estudo da música que vai definir o rumo de vocês. Já vi muitos talentos precoces que não deram prosseguimento às suas carreiras, mas também muita gente com dificuldades iniciais que venceram pela perseverança. Não desanimem com pequenas dificuldades que possam surgir com o estudo”, disse o diretor diante de olhares atentos.

Carlos Belém também explicou os possíveis caminhos que um músico pode tomar, além de revelar o orgulho de sempre ter encontrado, em sua carreira de produtor cultural, ex-alunos da Escola de Música Villa-Lobos atuando profissionalmente na música. “O estudo da música exige disciplina. Vencer não significa alcançar o grande estrelato ou estar na grande mídia, muito pelo contrário, o estudo da música pode levar a uma sofisticação que eventualmente vai nos restringir a um determinado segmento. Este é o segmento que a gente quer buscar. O grande sucesso da grande mídia é acidental, e que pode acontecer, inclusive, independente do talento”, completou. Passaram pela Escola de Música Villa-Lobos nomes como Maximiniano Cobra, Tim Rescala, Tato Taborda, Jorge Versilo, Biafra, Téo Lima e Marcus Vinicius Nogueira.

O diretor apresentou ainda as atividades internas do universo escolar, como a visita de muitos conjuntos importantes que fazem turnês na cidade, e os workshops, sempre abertos à participação dos alunos. Ele também incentivou a todos a produzirem cada vez mais música: “A gente quer fazer muito mais música na escola, quer que este auditório fique sempre ocupado, aqui, na cantina do quarto andar, que é um espaço de convivência dos alunos. Muitas parcerias e conjuntos importantes surgiram ali”, recomendou.

Em seguida, a coordenadora do Curso Formação Musical, Denize Vieira, explicou o funcionamento deste curso na escola, sua gratuidade, formas de ingresso e diferenças das faixas etárias. Apesar dos alunos novos deste segundo semestre de 2015 serem todos do Curso Preparatório para o Básico, é de extrema importância saberem os caminhos que podem levar o estudante aos cursos gratuitos e técnicos, e o Curso Básico capacita o aluno a ter todas as condições para trilharem estes caminhos.

O coordenador do Curso Técnico, Carlos Soares, explicou a atual situação do curso, que não teve vagas abertas neste ano de 2015. Depois de muitas reuniões, a Direção da escola reestruturou o Curso Técnico, e as inscrições estão previstas para serem divulgadas a partir de dezembro deste ano. O Curso Técnico é gratuito e profissionalizante, preparando o aluno de Ensino Médio para o mercado de trabalho.

Por sua vez, o coordenador do Curso Básico, Marcos Marques, pediu para que os alunos ocupem a escola, estando atentos aos murais informativos e à página no Facebook, e vivenciando os espaços, da sala de aula até a cantina. O mesmo pedido foi feito pelo presidente da AMAVILLA, Mauro Carvalho.

A conversa continuou com uma sessão de perguntas dos alunos sobre ingresso nos Grupos Representativos, funcionamento da biblioteca (Centro de Pesquisa e Documentação – Espaço Maestro Alceo Bocchino) e utilização dos espaços da escola.

A aula inaugural terminou com chave de ouro com a emocionante apresentação do Coro Juvenil da Escola de Música Villa-Lobos, outro grupo representativo, com seus 17 jovens entre 12 e 19 anos, acompanhados pela professora Gisele Sant´Ana no piano, professora Hélida Lisboa no soprano, e regidos pelo professor Leandro Gregório. O grupo mostrou suas versões para as canções “Hallelujah, praise the Lord”, de Robert Ray, “Praise his Holly Name”, de Keith Hampton, e o afro-samba “Berimbau”, de Baden Powell e Vinícius de Moraes, esta última com a participação do professor de percussão Mestre Riko no berimbau.

Agora é iniciar os estudos com dedicação e confiança de que renovados ares se direcionam para a Escola de Música Villa-Lobos. “Estamos iniciando uma nova fase da escola. Quem está entrando agora está pegando uma escola com um novo fôlego”, afirmou o diretor Carlos Belém.